YOUTUBE MUDA REGRAS DA MONETIZAÇÃO DE CANAIS PEQUENOS

YOUTUBE MUDA REGRAS E DIFICULTA A MONETIZAÇÃO DE CANAIS PEQUENOS

O YouTube anunciou nesta terça-feira (16) uma mudança bastante controversa nas políticas de pagamento por anúncios e monetização aos criadores de conteúdo. A partir de ontem, ele alterou os requisitos mínimos para que canais comecem a receber dinheiro do site.

O novo parâmetro para canais ainda não criados que quiserem integrar o Programa de Parcerias do YouTube e ganhar algum dinheiro na plataforma com o canal é o seguinte: adquirir no mínimo mil inscritos e 4 mil horas de visualização nos últimos 12 meses em vídeos postados. A partir de 20 de fevereiro de 2018, a regra será imposta também nos canais já existentes, que serão avaliados um a um. Aqueles que não cumprirem o requisito terão 30 dias para atingir a meta ou perderão a monetização até chegarem ao padrão.

Anteriormente, bastava ter 10 mil visualizações para começar a ganhar alguns trocados com o programa. Segundo o comunicado oficial, em 2017 “muitos problemas afetaram a comunidade e a receita de publicidade”, enquanto neste ano “o foco para todos no YouTube é proteger o ecossistema de criadores e garantir que a renda seja mais estável”.

E os canais grandes?
Criadores de conteúdo com alto poder de influência e visualizações serão muito menos afetados pelas novas regras. “Continuaremos usando sinais de aviso, como strikers, spam e outras flags de abuso”, afirmou o site.

O YouTube vai agendar conversas com grandes criadores nos próximos meses para ‘ouvir pensamentos e ideias sobre o que fazer para encarar esse desafio’.

Anunciantes agora terão mais transparência para verificar se querem mesmo colocar marcas e produtos em determinados vídeos. Além disso, o Google Preferred, um programa de monetização só para a elite de criadores de conteúdo, agora terá um moderador humano para avaliar as postagens e verificar se o conteúdo é “postável” e próprio para anúncios.

É o certo a se fazer?
A decisão do YouTube gerou uma recepção inicial bastante negativa. Basicamente, ele deixou mais difícil para que canais pequenos e ainda em crescimento comecem a receber verba da plataforma de vídeos, além de adicionar um contador de minutos de visualização que pode ser prejudicial para quem não posta clipes longos, como gameplays.

Segundo a plataforma, o objetivo das mudanças é prevenir que atores ruins prejudiquem os criadores originais e inspiradores ao redor do mundo que ganham a vida no YouTube

Essa parte se refere a quem já obtém uma renda suficiente do site a partir de inscritos e visualizações, pessoas que não são serão afetadas.

Os astros PewDiePie e Logan Paul, por exemplo, perderam parcerias especiais com o YouTube e receberam um “puxão de orelha” público depois das polêmicas, mas isso não vai arranhar a superfície de seus já altos ganhos com o programa de parcerias. Além disso, ainda há muitos problemas envolvendo conteúdos para crianças e até transmissões piratas ao vivo que não são resolvidas pela plataforma.

Por um lado, canais pequenos também precisam de moderação e é impossível ficar de olho em tudo o que é postado — não é justo simplesmente dar dinheiro a qualquer um, é verdade, e o YouTube como empresa privada tem direito a estabelecer as regras que quiser. Por outro, canais que buscam começar aos poucos com conteúdos diferenciados podem ser obrigados a desistir antes do tempo pelas novas barreiras de monetização.

Fonte e Créditos: TecMundo

Alexis

Alexis é um grande apaixonado por vídeo games e filmes desde criança, nunca deixou de jogar ou assistir um filme praticamente por todos os dias desde que se conhece por gente.

Comentários

comentários