Assistimos | Warrior Nun

Confira nossa análise completa da série da Netflix

Neste final de semana estreou Warrion Nun, a nova produção original da Netflix. Baseada nos quadrinhos Warrior Nun Areala criados por Ben Dunn a série foi uma bela surpresa em meio a tanta oferta no catálogo do serviço de streaming. A história segue a história de Ava Silva (Alba Batista) uma garota tetraplégica que se encontra morta no começo da série. Mas após uma série de eventos, acorda em um necrotério cheia de energia e com um artefato divino alojado nas costas. A partir daí, Ava se envolve com uma antiga ordem com a missão de combater demônios na Terra e é perseguida por forças poderosas do bem e do mal que tentam controlá-la. Apesar de uma premissa absurda com freiras ninjas e armadas até os dentes, a série diverte do começo ao fim e acabei maratonando sem esforço no final de semana. Além da Ordem da Espada Cruciforme, que Ava acaba se unindo ao longo da trama, do outro lado temos a ciência na pessoa Jillian Salvius e sua empresa Arquitech. Jillian deseja explorar um metal misterioso chamado Divinium em seu próprio benefício financeiro, além de uma tragédia pessoal que é revelada ao longo da série. Alba Batista, atriz de origem portuguesa faz uma protagonista muito humana, que ficou presa ao longo de toda sua vida em uma cama e agora quer curtir a vida. No entanto, ela terá que equilibrar a sua recém descoberta vida pessoal com a missão que recebe pelo halo preso às suas costas. Além de Ava, o elenco das freiras coadjuvantes funciona bem e você acaba se importando com as personagens no decorrer dos 10 episódios da primeira temporada. Destaque para Mary (Toya Turner), que na verdade não foi ordenada freira mas apóia a Ordem armada até os dentes, e Beatrice (Kristina Tonteri-Young) que é mestre nas artes marciais. Conspirações religiosas, conflito fé e ciência e conflitos adolescentes são temas abordados como background na trama. Com uma trama que não tem lá muitas surpresas, exceto um grande plot twist no final seria estragar a experiência do nosso seguidor entrar em mais detalhes. Para quem curtiu Buffy, a Caça Vampiros nos anos 90, Supernatural e Sabrina nos últimos anos vai embarcar na viagem facilmente. A série também é recomendada para quem deseja uma diversão descompromissada e leve no período que estamos vivendo. Fiquem ligados para mais novidades sobre séries, a qualquer momento, aqui no GamePlay RJ.

Comentários

comentários