Assistimos | Shazam

Confira nossa análise completa do novo longa da Warner Bros/DC

E finalmente chegou a hora de conferir o resultado de mais uma incursão da DC Comics nos cinemas: Shazam! E já começo minha análise dizendo que a parceria da editora com a Warner Bros finalmente fez muito bonito nos cinemas. Vamos a sinopse oficial: 

David F. Sandberg (Annabelle 2 – A Criação do Mal) dirige Shazam!, da New Line Cinema, que conta a origem do super-herói homônimo da DC, vivido por Zachary Levi (da série de TV Chuck). O elenco também conta com Asher Angel (da série de TV Andi Mack) como Billy Batson e Mark Strong (Kingsman) no papel do supervilão Dr. Thaddeus Sivana. Peter Safran (Aquaman, Invocação do Mal e Annabelle) é produtor do filme. Todos temos um super-herói dentro de nós; só é preciso um pouco de magia para que ele ganhe vida. No caso de Billy Batson, basta gritar uma palavra – SHAZAM! – para que o jovem malandro de 14 anos se transforme no super-herói adulto Shazam, cortesia de um antigo mago. Um menino em sua essência – dentro de um corpo sarado, como o de um deus – Shazam se esbalda nesta versão adulta dele mesmo fazendo aquilo que qualquer adolescente faria com superpoderes: divertir-se com eles! Ele é capaz de voar? Tem visão de raio-X? Consegue soltar raios pelas mãos? Pode perder a prova de estudos sociais? Shazam começa a testar os limites de suas habilidades com a despreocupação típica de uma criança. Contudo, ele precisará dominar estes poderes rapidamente para lutar contra as forças do mal controladas pelo Dr. Thaddeus Sivana.”

Após o sabor amargo na boca, não só pelas falhas e escolhas erradas, mas também pelo tom sombrio e amargurado dos longas anteriores, Shazam! traz um tom divertido e leve para as telonas. Talvez pelo fato do personagem não ser considerado uma figura pop tão marcante quanto a Santa Trindade da DC: Batman, Superman e Mulher Maravilha, os produtores deram mais liberdade para os envolvidos realizarem o longa. O resultado é um filme perfeitamente adequado para um garoto que se transforma em um bombadão com colant vermelho e dourado. A escolha de utilizar uma palheta mais viva de cores para o herói e mais sombria para o vilão Sivana enche os olhos no cinema. E claro, grande parte do sucesso do filme está na escolha do ator. Zachary Levi me deu até calafrios a princípio, mas quando você para para pensar, é perfeito. A começar pelo tom consagrado de comédia do ator em Chuck, Enrolados, entre outros. Levi consegue transmitir perfeitamente o principal ponto do personagem: um garoto dentro de um corpo de um homem. Quando você entra na sala comprando esta ideia que ficou famosa em Quero Ser Grande (um dos easter eggs do filme), é só sentar e curtir o espetáculo. Mas não pense que você vai rir o tempo todo, recurso cansativo utilizado em Deadpool, por exemplo, pois o longa tem belas e poderosas mensagens escondidadas. Aliás, aos pais preocupados com os menorzinhos, fica a advertência, há sim algumas cenas/questões bem pesadas. Mas sem dúvida a dobradinha entre o herói e Freddie Freeman (Jack Dylan Grazer) garante as melhores risadas do filme. O irmão adotivo de Billy é uma bela sacada para trazer os deuses dos panteão da DC para mais perto de nós. E sem aqueles dramas desnecessários, Marthas e outras burradas que já fizeram antes. O tom leve, despreocupado, e o lado deslumbrante que os heróis trazem aos olhos dos humanos é o que todos filmes do genêro deveriam ter. E claro, o mal. Finalmente um vilão sem planos cheios de subterfúgios, clichês ou reviravoltas. Mark Strong traz um Sivana que tem o mal por suas motivações, que não deixam de ser críveis, mas sem forçar a barra. E se você é fã dos quadrinhos do herói e da editora vai se deliciar em tantos easter eggs e porque pela primeira vez a Warner não entregou o ponto alto do filme nos trailers. E acho que paramos por aqui para não prejudicar a experiência do nosso seguidor. Compre um baldão de pipoca, junte a galera e divirta-se com a magia dos super herois e do cinema. E que venham muitos mais como este no futuro. Agradecemos a Warner Bros do Brasil pelo convite para a pré estréia.

Químico, pai e professor no mundo real, Felipe, vulgo Nerd sempre foi apaixonado por quadrinhos,cinema e TV. Também adora escrever e discutir sobre os temas nas horas vagas, o que o trouxe a GameplayRJ, sua morada na internet.

Comentários

comentários