Assistimos | Motorrad – A Trilha da Morte

Confira nossa opinião sobre o longa brasileiro que mistura terror, motoqueiros e elementos sobrenaturais

Em cartaz no Brasil desde o dia primeiro deste mês, Motorrad – A trilha da morte é um longa brasileiro diferenciado que vale a visita ao cinema. O filme foi dirigido por Vicente Amorim, que certamente é fã de clássicos do terror e suspense, e traz uma bela fotografia, cortesia da Serra da Canastra em Minas Gerais, um dos famosos pontos turísticos de nosso país entre os que curtem trilhas e ecoturismo, onde o filme foi rodado. Também traz a concept art e characters design por Danilo Beyruth, famoso quadrinista brasileiro que já trabalhou lá fora em títulos como Motoqueiro Fantasma, Gwenpool, além de ótimos trabalhos nacionais como suas obras autorais Necronauta, Bando de Dois, São Jorge e sua versão maravilhosa para Astronauta na linha Graphic MSP, que já falamos aqui.A história segue o protagonista Hugo (Guilherme Prates), que está louco para conseguir um lugar no grupo de motocross do seu irmão mais velho, Ricardo (Emílio Dantas). O filme começa com ele roubando um carburador para que possa terminar sua motocicleta. A misteriosa Paula (Carla Salle) o ajuda a consegui-lo. Depois de terminada, ele encontra com a turma do irmão em uma cachoeira remota, onde fazem uma trilha e se deparam com um antigo muro. Hugo sugere que eles desmontem o muro e sigam a aventura, mas acabam encontrando Paula em seu caminho. Ela os convida para um caminho ainda mais radical, só que a diversão vira uma corrida pela sobrevivência quando eles passam a ser perseguidos por motoqueiros sádicos. A partir daí o filme prende o espectador na cadeira, com muita tensão, violência explícita e um final interessante. O elenco, oriundo da série Malhação e novelas da Globo funciona perfeitamente na história do filme, que tem como foco a juventude, rebeldia e o amadurecimento. Além disso, a perseguição aos jovens pela gangue de motoqueiros misteriosos ganha um clima de slasher movie e resta aguardar quem será a próxima vítima. Neste ponto vale citar que as mortes são bem criativas em alguns momentos e aumentam ainda mais a tensão do espectador. Outra referência clara ao filme são os filmes de Mad Max, com uma paisagem que tem cara de filme pós apocalíptico e perseguições interruptas, ainda que muito lentas e com uma edição que deixa a desejar em alguns momentos. Ainda assim, o longa merece destaque por ser um filme nacional bem feito, com jeitão de produções internacionais e que foge do excesso de comédias que inundam as salas de cinema todos os meses. Assim, se você está procurando um filme bacana e diferente de tantos super heróis, remakes e filmes do Oscar (que não necessariamente agregam qualidade aos mesmos), pegue uma sessão de Motorrad descompromissada e divirta-se. Agradecemos à Warner pelo convite para a pré estréia.

Felipe

Químico, pai e professor no mundo real, Felipe, vulgo Nerd sempre foi apaixonado por quadrinhos,cinema e TV. Também adora escrever e discutir sobre os temas nas horas vagas, o que o trouxe a GameplayRJ, sua morada na internet.

Comentários

comentários