Assistimos | Cara x Cara da Netflix

Confira nossa análise completa da série da Netflix com Paul Rudd

Estreou na última sexta, dia 18 de outubro, na Netflix, a série Cara x Cara, uma produção original do serviço de streaming. A série traz Paul Rudd, mais conhecido atualmente pelo seu papel de Homem Formiga nos filmes da Marvel. Apesar de ser classificada como comédia, a série tem vários momentos de drama, suspense e todo um background filosófico/existencial. Mas vamos à sinopse oficial da Netflix:

“Miles (Paul Rudd) é um homem na luta diária de sua vida. Quando ele se submete a um tratamento de spa, que promete transformá-lo em uma pessoa melhor, ele descobre que foi substituído por uma nova e melhor versão de si mesmo. Enquanto lida com as consequências de suas ações, ele deve lutar por sua esposa Kate (Aisling Bea), sua carreira e sua própria identidade”

Quando foi anunciada, a série me despertou pouco interesse, exceto pelo protagonismo de Paul. Antes de ficar conhecido como o super herói da Marvel, Paul fez vários filmes de comédia bacanas, além de sua participação bastante marcante na série Friends, como um dos namorados de Phoebe, Mike. Mas após ouvir algumas boas recomendações da série decidi dar uma olhada. E aí foi maratonar até o final dos oito episódios da série. E já começo minha análise por aí. O formato de temporada em poucos episódios tem me atraído bastante, com o excesso de ofertas de séries atualmente. Além disso, os episódios tem 30 minutos, duração clássica de seriados de comédia, que se passam muito rapidamente. Os episódios alternam-se entre os pontos de vista de Miles e seu clone de uma mesma situação. Mas de forma alguma isso é enfadonho. Na minha opinião, ainda que não seja inovadora, é uma experiência bastante interessante. E cada um deles termina com um cliffhanger incrível. Outros pontos fortes são a edição e a trilha sonora, que lhe mantem envolvido na história. Também achei interessante a atmosfera com jeitão undeground do seriado que me remeteu imediatamente aos filmes “Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças” e “Quero ser John Malkovich”. Além da atmosfera, o seriado, assimo como estes filmes, traz algumas questões, que se por um lado são levadas para a comédia, também despertam uma mistura de sentimentos. O fato dos personagens serem fisicamente idênticos e terem as mesmas memórias levam a um roteiro com questões muito interessantes. Por exemplo, quando Miles deixa o seu clone ir trabalhar no seu lugar por faltar tempo para se dedicar ao seu sonho de escrever uma peça. Ou quando o clone toma o seu lugar em um encontro com a esposa, que se diverte, o que o leva a refletir quando foi que ele deixou de ser assim. E por aí vai. Mas tudo feito de uma forma muito sutil, em que nos leva a própria reflexão de situações de nossas vidas. Aliás, aqui cabe comentar a má escolha na tradução de Living with yourself (Vivendo consigo mesmo, muito adequado) para Cara x Cara. Já parece uma tradição estragar os títulos originais aqui no Brasil, dando uma má impressão sobre a produção. Parece uma das inúmeras comédias sem qualidade que inundam o catálogo da Netflix. E falando em comédia, quem deseja somente isto, mas com tons de humor negro, também vai curtir muito o seriado. O único defeito que posso destacar é a conclusão, que ocorre de maneira abrupta e sem graça. Uma solução muito fácil, aliada a uma situação que é estabelecida já nos primeiros momentos da história. Mas longe de se tratar de um seriado ruim. A interpretação de Paul Rudd mantém o seu estilo um pouco exagerado, mas sem pecar pelo excesso. Já a técnica utilizada para ele contracenar com si mesmo deixa a desejar em alguns momentos, mas nada que atrapalhe a diversão. Enfim, não vou me estender mais, mas recomendo que nosso seguidor confira a série, uma das mais interessantes do genêro que vi este ano. Fiquem ligados para mais novidades sobre séries, a qualquer momento, aqui no GamePlay RJ.

Químico, pai e professor no mundo real, Felipe, vulgo Nerd sempre foi apaixonado por quadrinhos,cinema e TV. Também adora escrever e discutir sobre os temas nas horas vagas, o que o trouxe a GameplayRJ, sua morada na internet.

Comentários

comentários