Assistimos | Bumblebee

Confira a análise completa do reboot dos Transformers no cinema

E chegou a hora de conferir Bumblebee, um novo começo para a franquia dos Transformers no cinema. E desde já adianto que o resultado foi surpreendente, ao menos para mim que não dava nada para o filme. Michael Bay começou bem a franquia em 2007, mas as sequências deixaram a desejar. Quando anunciaram Bumblebee ficou aquela sensação de mais do mesmo ou um filme só para ganharem dinheiro. Peguei uma sessão no meio da tarde pós festas e foi perfeito. O filme se passa em 1987 e após alguns anos de uma grande batalha em CybertronBumblebee encontra refúgio em um ferro-velho de uma pequena cidade praiana da Califórnia. Charlie (Hailee Steinfeld), prestes a fazer 18 anos e buscando seu lugar no mundo, encontra Bumblebee machucado e sem condições de uso. Quando o revive, Charlie logo percebe que este não é qualquer fusca amarelo. A partir daí começa a luta de Charlie e Bumblebee para fugir do exército e dos Decepticons que vieram caçar Bumblebee. Acho que uma das grandes sacadas do filme é a ambientação nos anos 80, que está perfeita, e uma história bem estilo dos filmes anos 80. Aquela inocência, o encanto e um tom de comédia leve, adequado. A relação entre Charlie e Bee funciona, como o clássico E.T., Stranger Things ou produções similares. Também é interessante o constraste da adolescência de Charlie, com Bumblebee, que faz as vezes de caçula dos robozões. A troca de direção para Travis Knight (mais conhecido por seus trabalhos com animador em Paranorman, Coraline e outras) foi uma escolha bastante acertada. Saem os fogos de artifício e cenas extremamente longas de ação de Michael Bay e entram as cenas bem construídas, pensadas. É interessante que até o CG das transformações evoluiu.  As sequências da geração clássica em Cybertron, que já apareciam no trailer, são maravilhosas. Também saem os emaranhados de metal extremamente rápidos que não fazem sentido e entram transformações lentas, incluindo o som clássico e críveis, onde se veem as peças se encaixando. Inclusive a transformação é aproveitada no roteiro em certos momentos. E os atores? Fora Hailee, que manda super bem, temos um elenco de apoio competente. Destaque para John Cena, que faz um brucutu militar bacana, sem piadinhas excessivas e novamente bem ao estilo de filmes antigos. Para fechar, a trilha sonora impecável, com clássicos dos anos 80 e casando perfeitamente com as cenas. A música também é utilizada como forma de comunicação de Bumblebee, assim como já vimos nos filmes anteriores e aqui ficamos sabendo como ele perdeu a voz. Enfim, encerro minha análise por aqui, com a recomendação que você vá ver Bumblebee como o filme é, leve, sem preocupações, acompanhado de uma bela pipoca em uma sessão da tarde. Agradecemos a Paramount Pictures pelo convite para a pré estreia do filme.

Químico, pai e professor no mundo real, Felipe, vulgo Nerd sempre foi apaixonado por quadrinhos,cinema e TV. Também adora escrever e discutir sobre os temas nas horas vagas, o que o trouxe a GameplayRJ, sua morada na internet.

Comentários

comentários