Assistimos | Alita: Anjo de Combate

Confira a nossa análise sem spoilers do filme da Fox Films

Em 1998, James Cameron subia ao palco dos Oscars ao receber a estatueta de Melhor Diretor por Titanic (que levou mais 10 prêmios) e parafraseou a frase de seu próprio filme: “Eu sou o Rei do Mundo”. Talvez isso soe exagerado, mas é fato que o homem saiba como entreter seu público. Anota aí a lista dos grandes filmes, e estamos falando só dos principais, do rapaz: Ele nos deu um dos melhores Terminator (T2) e Alien (Aliens), fez comédia bacanuda em True Lies e encheu os olhos do mundo com Avatar, além do já mencionado Titanic que bateu recordes incríveis na época. Junta-se a ele em Alita: Anjo de Combate, Robert Rodriguez. Parceiro de Quentin Tarantino em um dos melhores filmes de vampiros já feitos: Um Drink no Inferno e em Grindhouse, mandou muito bem em um filme infantil chamado Spy Kids e já trabalhou em adaptações de quadrinhos em Sin City, além de ter produzido umas das melhores (e única) sequências da franquia Predadores. E o que poderia dar errado em um filme com dois caras com currículos incríveis deste? O fato que a internet é assolada pelo “vírus da chatice” ultimamente. E o tal vírus é contagioso e inevitável para nós que trabalhamos no meio. Quando começaram a sair as primeiras imagens de Alita, fiquei com um pé atrás, tantas foram as reclamações… Nos últimos dias, antes de ver o filme, acabei ficando com os dois pés atrás vendo alguns comentários tendenciosos na internet….Mas o fato é que para um fã da obra original de Yukito Kishiro, publicada em uma nova edição lindíssima da JBC (leia nossa análise da primeira aqui) recentemente no Brasil, eu fiquei encantado com cada frame do filme. E não, não espere fidedignidade total ao mangá maravilhoso de Kishiro e se você espera isso, pode ficar na sua casa e leia o mangá de novo, porque esperar isso é muito chato…O fato é que o filme traz de forma magistral toda ambientação do mangá (a Cidade da Sucata, com direito a vista de Zalem é de chorar, parece que saiu direto das páginas do mangá) e de forma condensada o roteiro de dois dos quatro volumões do mangá, mas sem perder de forma alguma o respeito com a obra original. Mas se você caiu de para quedas aqui e não sabe do que estou falando, vamos a sinopse oficial divulgada pela Fox Films do Brasil:

“Dos visionários cineastas James Cameron (AVATAR) e Robert Rodriguez (SIN CITY), vem ALITA: ANJO DE COMBATE, uma aventura épica de esperança e fortalecimento. Quando Alita (Rosa Salazar) desperta sem memória de quem ela é em um mundo futuro que ela não reconhece, é levada por Ido (Christoph Waltz), um médico compassivo que percebe que em algum lugar nesta casca de ciborgue abandonada está o coração e alma de uma jovem mulher com um passado extraordinário. Enquanto Alita aprende a navegar sua nova vida e as ruas traiçoeiras da Cidade de Ferro, Ido tenta protegê-la de sua misteriosa história, enquanto seu novo amigo de rua Hugo (Keean Johnson) oferece ajuda para recuperar suas memórias. Mas é somente quando as forças mortais e corruptas que controlam a cidade vêm atrás de Alita que ela descobre uma pista de seu passado – ela tem habilidades únicas de combate que os que estão no poder não conseguem controlar. Se ela puder ficar fora de seu alcance, pode ser a chave para salvar seus amigos, sua família e o mundo que ela está amando”

As atuações de Waltz e Salazar são incríveis. A relação de Ido e Alita de pai e filha é tocante, além do elenco de apoio que também faz bonito. O ator indicado ao Oscar deste ano, Mahershala Ali, encarna um dos vilões do filme, Vector, sem aquela canastrice costumeira de filmes do genêro. O garoto Hugo, interpretado por Keean Johnson, faz um belo par para Alita e o romance dos dois é muito bacana, sem ser piegas. Para quem não conhece o mangá, a principal diferença é na idade do personagem que é um garoto, mas que aqui é um adolescente, assim como Alita, já que no mangá no início ela também tem a mentalidade de uma criança, daí a paridade. Também é bem vinda a presença da linda e talentosa Jennifer Connelly, que interpreta a cientista Chiren, personagem que só aparece nos OVAS da franquia, demonstrando o carinho que os idealizadores do longa tiverem pelo material original. Aqueles que gostam dos efeitos especiais, também vão amar o filme. As lutas utilizando o Panzer Kunst, uma arte marcial de cyborgs, são incríveis e em nenhum momento soam falsas. O CG de Alita é muito realista, mesmo nas cenas diurnas. E os fãs do mangá vão vibrar com as batalhas do Motor Ball, sem dúvida um dos pontos altos do filme. O filme também equilibra muito bem as cenas de ação e as que explicam mais sobre a origem daquele universo e de Alita, sem ser cansativo em nenhum momento. E felizmente, há uma possibilidade para continuação, que o diretor Robert Rodriguez, ainda não confirmou, dizendo que o final aberto é seu estilo, e que já fez algo parecido em Spy Kids e El Mariachi. Agora é aguardar para ver e enquanto isso curtir as edições do mangá, especialmente para quem não conhece. E termino por aqui. Acho que dizer mais seria estragar a experiência do nosso seguidor deste filme que sem dúvida já considero, senão o melhor, certamente um dos mais divertidos do ano. Agradecemos a Fox Films do Brasil pelo convite para a pré estréia.

Químico, pai e professor no mundo real, Felipe, vulgo Nerd sempre foi apaixonado por quadrinhos,cinema e TV. Também adora escrever e discutir sobre os temas nas horas vagas, o que o trouxe a GameplayRJ, sua morada na internet.

Comentários

comentários